Quinta-feira, 15 de Novembro de 2018
Mundo

Disseram que sua condição era “incompatível com a vida”, mas ela já tem 35 anos, trabalha e é casada

Portadora de espinha bífida denuncia que prognósticos ultrapassados levam ao aborto de 64% dos bebês com essa condição

Publicada em 21/10/18 às 23:44h - 7 visualizações

por semprefamilia.com.br


Compartilhe
   

Link da Notícia:

 (Foto: semprefamilia.com.br)
Nos países que permitem o aborto, muitos bebês diagnosticados com espinha bífida ainda na gestação não chegam a nascer. O problema acontece quando a espinha dorsal e a medula espinhal não se desenvolvem adequadamente, causando geralmente inaptidão para caminhar, acúmulo de líquido no cérebro, falta de controle na bexiga e outras complicações. Para a sorte de Misty Boyd, os seus pais só descobriram a sua condição quando ela nasceu – em 1983. Mesmo assim, eles tiveram que lutar por sua vida, como a própria Misty, hoje com 35 anos, contou em um post compartilhado no Facebook pela Spina Bifida Association.

“Quando eu nasci e fui diagnosticada com espinha bífida, o médico se desculpou intensamente, dizendo que poderia ter ‘feito algo’ se soubesse”, conta ela. “Ele disse a meus pais que minha condição era incompatível com a vida. Eu teria muitas dificuldades mentais e nunca caminharia, falaria, me alimentaria ou seria independente em qualquer sentido. Se o médico tivesse descoberto meu defeito por ultrassom, teria insistido para que eu fosse abortada, devido a ‘baixa qualidade de vida’”.

Mãe de quíntuplos recusa aborto seletivo: “Eu já amava todos eles”

“Nada do que o médico predisse para o meu futuro chegou a acontecer”, testemunha Misty. “Sou casada, tenho sucesso na minha carreira e sou muito feliz”. A sua capacidade de superar as adversidades fez com que, aos 20 e tantos anos, ela decidisse pesquisar como era a situação corrente das crianças diagnosticadas com a condição. “Certamente a tecnologia médica teria ido longe o suficiente para que não precisássemos dar prognósticos tão sombrios para esses bebês, certo?”, ironiza Misty.

“Não demorou muito para que meu coração se despedaçasse ao saber que os médicos continuavam dando o mesmo prognóstico falso, negativo e mal informado. Mesmo que a tecnologia tenha avançado bem mais na luta por nos ajudar a viver plenamente, em comparação com a época em que nasci, os médicos continuam pintando os piores cenários como se isso fosse o destino tipicamente esperado de alguém com espinha bífida”, critica.

Misty aponta que por causa dessas informações ultrapassadas 64% dos bebês diagnosticados com espinha bífida são abortados nos Estados Unidos. “Eles nunca têm a chance de provar aos médicos que eles estão errados. Como eles podem ter tanta certeza sobre a baixa qualidade de vida se tão poucos de nós têm a chance de mostrar outra coisa?”, questiona ela.


*****



Deixe seu comentário!

ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.







Nosso Whatsapp

 (98)9 8484-7156

Copyright (c) 2018 - Rádio Jovem 10 - Whats 98 98484-7156